Newsletter

Cadastre-se para receber dicas de Marketing Digital

Qual o impacto que a pesquisa por voz terá no SEO a partir de 2020?


Pesquisa por voz

É cada vez mais comum pessoas utilizarem pesquisa por voz ao invés de digitar nos buscadores, e isso está mudando as estratégias de SEO.

A cada ano, os avanços tecnológicos vem mudando o formato dos negócios. Trabalhar para poder aproveitar essas novas oportunidades pode ser um desafio no marketing digital. Uma das transformações no mercado foi causada pela adoção da tecnologia de pesquisa por voz.

Como conseqüência, isso gerou um impacto na otimização de mecanismos de busca, onde seguir as melhores práticas de SEO é essencial para a maioria das empresas atualmente. A pesquisa por voz pode ser utilizada para romper com as práticas comuns de SEO. Portanto, é aconselhável que as empresas se mantenham informadas sobre mudanças e se planejem.

A ascensão da tecnologia de voz

A introdução do Watson, da IBM em 2010, abriu o caminho para dispositivos de tecnologia de voz. No ano seguinte, o Google lançou sua pesquisa por voz e a Apple lançou o Siri para o iPhone 4S, o primeiro assistente pessoal digital.

Isso foi seguido em 2014 pela Cortana, da Microsoft e Amazon Echo, alimentado pelo assistente pessoal, Alexa. O Google Assistant foi lançado em 2016, bem como o smart speaker Google Home. Os números iniciais mostraram que a Amazon Alexa lidera o mercado, embora a previsão seja de que o Google Home assuma a liderança até 2020. Outros assistentes digitais de destaque no cenário global incluem Alice, da Yandex, e AliGenie, do Alibaba.

A tecnologia de voz também se espalhou para dispositivos como a Internet das Coisas (IoT), como uma TV inteligente, um termostato inteligente ou um kit doméstico. Embora seja possível, a pesquisa por voz na ainda não possui aplicativos específicos para a maioria desses dispositivos. E, de longe, a maior parte das pesquisas é atualmente feita em um smartphone ou em um smart speaker.

Vinte por cento das consultas no aplicativo móvel do Google e nos dispositivos Android são feitas com voz. Enquanto 31% dos usuários de smartphones usam voz pelo menos uma vez por semana, de acordo com a Statistica.

A empresa de análise de mídia Comscore prevê que metade de todas as pesquisas on-line serão feitas por voz até 2020. Enquanto o Gartner prevê que, no mesmo ano, 30% das pesquisas on-line serão feitas em dispositivos sem tela. Isso sugere um enorme aumento na pesquisa por voz, bem como a crescente adoção de smart speaker. No início deste ano, a Juniper Research previu que 3,25 bilhões de assistentes de voz estavam em uso – eles preveem atingir oito bilhões em 2023.

Baixar E-book: Análise de Dados com o Google Analytics

Aprenda a mensurar e enxergar oportunidades com o Marketing Digital!

E-book: Análise de Dados com o Google Analytics

Os efeitos da voz no SEO

A voz está, portanto, transformando nossas abordagens à tecnologia e à Internet, mas que impacto terá na otimização de mecanismos de pesquisa?

Linguagem natural

Com sistemas de reconhecimento de voz aperfeiçoados e confiáveis, a tecnologia de voz estará preparada para acompanhar o uso diário da linguagem, para que os usuários possam dar comandos como se estivessem falando com um humano. E para as áreas ainda pouco desenvolvidas, as tecnologias emergentes estão buscando melhorar a experiência do usuário. O Relatório de Tendências da Internet de 2018 da especialista em tendências de Internet e capital de risco, Mary Meeker, descobriu que 70% das pesquisas por voz em inglês foram feitas em linguagem natural ou de conversação.

Comprimento da palavra-chave

A linguagem falada geralmente não é tão concisa quanto a palavra escrita, portanto, as consultas serão mais longas que as três ou quatro pesquisas por palavra-chave mais comuns nas interfaces gráficas do usuário (GUI). Atualmente, as pesquisas por voz têm uma média de 29 palavras, de acordo com o Backlinko. Os estrategistas de SEO precisarão se ajustar usando mais palavras-chave de cauda longa, com o benefício adicional de que quanto mais longas as frases-chave, maior a probabilidade de conversão.

Gráfico mostrando o comprimento das frases de pesquisa por voz
Fonte: Neilpatel.com

 

Palavras interrogativas

As pesquisas por voz incluem com mais frequência as palavras de pergunta quem, quais, quando, onde e como, que geralmente são omitidos nas pesquisas por escrito. Os profissionais de marketing precisam garantir que o conteúdo possa fornecer respostas precisas e relevantes para as consultas de pesquisa por voz e distinguir entre perguntas simples e aquelas que exigem respostas mais abrangentes. As consultas que podem ser respondidas com respostas muito curtas geralmente não geram tráfego para um site. Isso porque o Google geralmente fornece as informações necessárias por meio de snippets de pesquisa em destaque.

De acordo com o SeoClarity, 20% das pesquisas por voz são acionadas por apenas 25 palavras-chave. Isso inclui perguntas e outros verbos comumente usados, por exemplo, o que, porque, como fazer ou como faço, além de substantivos e adjetivos-chave, incluindo receita, novo, fácil, tipos e casa. Eles podem ser trabalhados em estratégias de SEO, e as consultas em formato de pergunta podem mostrar a intenção do usuário em um nível mais alto. Portanto, os profissionais de marketing podem otimizar o conteúdo de acordo com perguntas de maior valor.

Tendências de busca locais por voz
Fonte: Brightlocal.com

 

Pesquisa semântica

Ao contrário das pesquisas lexicais que procuram correspondências literais de palavras-chave, as pesquisas semânticas tentam encontrar o significado pretendido pelo usuário no contexto dos termos usados. Esse entendimento pode ser auxiliado pelo histórico de pesquisa do usuário, pelo histórico global de pesquisa, pela localização das variações de ortografia do usuário e da palavra-chave.

O RankBrain do Google é um sistema de inteligência artificial projetado para reconhecer palavras e frases para melhorar os resultados de pesquisa na Internet. Essa qualidade de pensamento independente do RankBrain ajuda a levar o entendimento de consultas a um nível mais sofisticado. O Hummingbird é outra tecnologia do Google que ajuda as consultas em linguagem natural. Ajuda as páginas de resultados da pesquisa a serem mais relevantes com base no contexto e na intenção, fazendo com que as páginas relevantes tenham uma classificação mais alta.

Pesquisa local

A tecnologia de voz trouxe uma ênfase crescente ao uso da pesquisa local. Os consumidores têm uma probabilidade três vezes maior de pesquisar localmente ao pesquisar por voz. Pesquisas realizadas no último ano mostram que 58% dos consumidores encontram empresas locais usando a pesquisa por voz e 46% usam a tecnologia de voz para encontrar informações sobre empresas locais diariamente. As estratégias de marketing devem levar em conta essa alteração e otimizar as consultas “próximas de mim”.

SERPs

Cerca de 75% dos resultados da pesquisa por voz serão classificados nas três primeiras posições nas páginas de resultados dos mecanismos de pesquisa (SERPs). A maioria das pesquisas por voz é respondida pelas Caixas de Respostas, mostradas na parte superior das páginas de resultados. Os snippets em destaque estão incluídos em 30% das consultas do Google. Estes são trechos de qualquer site na primeira página dos SERPs, e as marcas recebem crédito na pesquisa por voz, bem como nas pesquisas usuais da GUI. As marcas precisam estar apenas na primeira página para serem usadas nos snippets em destaque, em vez da posição zero.

Comércio Eletrônico

O comércio eletrônico é especialmente afetado pela voz, pois os consumidores têm muito mais probabilidade de usar a voz para fazer compras. Sessenta e dois por cento dos proprietários de smart speaker fizeram compras através de seu assistente virtual, e 40% dos millennials usam assistentes de voz antes de fazer compras online. Os assistentes digitais – e as melhores maneiras de otimizar para eles – devem, portanto, ser uma prioridade para os varejistas on-line.

Adaptação à pesquisa por voz

Com a tecnologia de voz impactando o SEO de várias maneiras, aqui estão algumas etapas recomendadas para as marcas se adaptarem adequadamente.

  1. O Google Voice prioriza sites de carregamento rápido. Para que as marcas garantam a otimização das imagens, os arquivos devem ser compactados, o tempo de resposta ser reduzido e o site é totalmente responsivo.
  2. O conteúdo deve ser otimizado com palavras-chave de cauda longa que refletem consultas populares usadas na pesquisa por voz. Concentre-se na linguagem natural.
  3. Os trechos em destaque são respostas resumidas de páginas da web que podem ser usadas na posição zero. Para otimizar o conteúdo, inclua destaques no conteúdo ​​a serem apresentados e facilite a leitura do Google usando tags H (headings tags) e marcadores.
  4. Os dados estruturados e a marcação de schema fornecem mais informações sobre uma marca e direcionam tráfego. Eles ajudam as páginas a aparecerem em rich snippets, o que aumentará as chances de ser o primeiro resultado entregue nas pesquisas por voz.
  5. As informações locais da sua marca devem ser fornecidas para atender ao aumento do volume de pesquisas de empresas locais com voz – o uso do Google Meu Negócio pode ajudar.
  6. Aumentar a autoridade do domínio ajudará na classificação da pesquisa – isso pode ser melhorado com a inclusão de backlinks de alta qualidade.

O impacto da tecnologia de voz no SEO é uma realidade. Dado o enorme aumento na adoção e uso da voz, o impacto nas empresas será considerável. As marcas que podem antecipar e ficar à frente das mudanças antes que elas ocorram certamente colherão os benefícios nos próximos anos.

 

 

 

Este texto é uma tradução livre, de interpretação pessoal da autora deste post. Para ler o texto original, acesse: What impact will voice search have on SEO in 2020?


Você também pode gostar de ler:

Como viralizar em 6 passos: provocando o impulso de compartilhar

Dicas para vender mais e melhor

3 dicas para vender sem ser invasivo ou agressivo demais

Disparo de Email Marketing

Qual o melhor horário para disparo de email marketing?